sexta-feira, 11 de fevereiro de 2005

fronteira, esse mito que, pasmem, não fica na fronteira

ah, pois é...
depois de dias infindáveis a ressacar sem a minha dose diária de net, cá me infiltrei no posto público. sim, porque apesar de, supostamente, dever ter rede no local de trabalho, há que fazer jus às maravilhas do funcionalismo público e dos seus não menos louváveis técnicos informáticos... os computadores bem que podem dar o berro, que chuchamos no dedame.

mas, e desabafos à parte, não posso deixar de comentar o tão afamado horário das 9 às 17. bem, no meu caso é das 9 às 17.30, com horita e meia de almoço, o que me dá mais que tempo para dar largas à imaginação na cozinha. até trouxe uma prenda de anos vossa, de há umas eras atrás - um livro de cozinha vegetariana. em nove meses de gestação estagiária devo ter tempo para experimentar quase tudo, substituindo este ou aquele ingrediente mais estapafúrdio por qualquer coisa que se venda ali no supermercado primavera, um sucedâneo do maravilhoso dia. retomando a questão do horário: eu nunca vi (bem, talvez considerando a excepção dona irene) nos nossos meios tanta pontualidade no horário de saída! ainda não são 17.35 e já estão as portas da rua trancadas... e depois queixam-se que os projectos para as candidaturas têm que ser para ontem e que isso leva a um acumular de incorrecções em pastas e pastas de papel que, na prática, ninguém lê, mas que são burocraticamente obrigatórias...
estou para ver quando manifestar que as minhas idas ao campo, para os levantamentos de fauna, não se enquadram no horário maravilha... como ali ninguém percebe de, passo a citar, animaizinhos, deve cair a casa... mas a seu tempo comentarei.

e pronto, às portas do meu primeiro fim-de-semana fronteirense, conto dar uma vista de olhos na área de estudo (cuja finalidade será a realização de uma proposta para área protegida - isto até soa bem no currículo) e outra no rally que passa por aqui domingo.

ah, e tenho uma casa muito gira com espaço para vocês todos :)

um grande bem haja!

sai um pastelinho de bacalhau...

3 comentários:

Pipocas disse...

Fiz-me convidada e cá estou a visitar a vossa assoalhada, bem simpática, por sinal. ;) A propósito deste post: lá no meu sítio, se saímos um bocadinho mais cedo (leia-se 18h00 / 18h30)olham de lado e perguntam se aconteceu alguma coisita. Santa melancia, interiorizamos, mas estas alminhas já perceberam que estamos cá desde as 09h00, mais coisa menos coisa??? Ai é assim? Ah, pois é. Vida de proletariado é mesmo assim.
Bem hajam também. ;)

Paulo disse...

até fica na fronteira... entre o país "normal" e o surreal! espera até toda a gente saber quem és e toda a tua vida sem nunca ter falado contigo, cortesia do serviço de comunicações "língua viperina do interior" e das 'tas das velhas que não têm mais nada que fazer senão querer saber da vida dos outros...

Paulo disse...

e já agora obrigado pela visita ao nosso antro de baboseiras...