domingo, 20 de fevereiro de 2005

Ah... e tal!

Ora bem, parece que temos um novo primeiro ministro.
Eu até simpatizo com o sr., mas agora tou ali a vê-lo na televisão e estou quase a mudar de ideias. Perguntam vocês porquê, ok, não é preciso, eu explico, está mal vestido!
Passo a descrever. Casaco castanho, gravata vermelha, camisa branca, agora a Sofes vai vir aqui aos comentários e dizer "mas tu não gostas de castanho", pois é verdade, e ainda mais incrivel, podem aparecer coisas como "mas qual é o mal do castanho com o vermelho?!". Se há quem use cor de rosa e vermelho, porque não o castanho... afinal não fez mal a ninguém.
Claro que os meus gostos são bastante discutíveis, na sua maioria são maus, fim de discussão, mas isso já eu sei.
Continuando, a vestimenta do filósofo grego não ficava nada atrás da farda do grupo de forcados de Almeirim. Sim, é triste, mas é verdade, foi o que me fez lembrar. Falta-lhe claro o barrete de campino, porque eu desconfio que a faixa à cintura e meias brancas estão presentes, porém ocultas pela mesinha para o discurso.
Bem, esperemos que numa proxima aparição (isto soa uma bocado a Fátima, mas não faz mal) o traje seja diferente, eu da minha parte gostaria de o ver de jardineira verde, tal como os eficientes funcionários da EMEL, mas a ver vamos.


sai um pastelinho de bacalhau...

2 comentários:

Inês disse...

Lindo!
Devo dizer que tambem reparei na estranha fatiota do nosso novo Primeiro, mas realmente nao me lembrei dos forcados de Almeirim...
A comparacao e' de tal forma potente que vai ja recambiada para uma citacao no meu outro modesto canto...

Paulo disse...

epá, foi a minha primeira vez a ler uma crítica de moda acerca de um primeiro-ministro, mas estou deveras maravilhado!!!
devo realçar que não tive oportunidade de ver a fatiota do senhor, mas espero que neste caso o hábito faça o monge. sim, porque vai ser preciso um forcado de Almeirim para agarrar o touro pelos cornos e levar o país para a frente. ou então ele é mais rabejador e o touro não terá outro remédio que não seguir em frente (e depressa!)...