segunda-feira, 20 de junho de 2005

Hugo e os roedores (Parte CDXLII)

Ora cá estou!
E’ verdade. Ainda estou vivo e escrevo neste blog. Desta vez deixo-vos o meu relato com os roedores desta cidade. Depois de tudo o que passei com ratos parece que a saga teima em continuar. Deslarguem-me!! Já me redimi! Soltei a rata-d’ água!! Enfim, passo a explicar.
Embora vivesse numa pocilga estudantil com alarmes de incêndio a soar repetidamente pela noite fora, varias vezes por semana, que era para não me desabituar, o certo é que esta residência era uma mansão situada a escassas yards de St James’s Park. Um belo parque citadino mas repleto da mais extraordinária fauna exótica mais ou menos domesticada. Entre a qual se incluía o belo do esquilo cinzento.
Ora numa das minhas corridas (mais ou menos diárias) encontrei um casal a dar comida a um destes seus habitantes. O esquilo porem quando me viu a aproximar apanhou um susto e desatou a correr. No entanto, com o seu diminuto cérebro sciurideo, embateu violentamente no meu sapato e ficou estendido no chão durante alguns segundos.
Numa outra incursão decidi levar umas quantas nozes para me redimir do sucedido. Lá encontrei um sitio com uns quantos esquilos e estendi a mão. Vieram alguns e apareceu por entre os arbustos um outro.
-Olha coitadinho, não tem cauda. Toma lá uma noz!
Quando ele se aproximou é que reparei que não era bem um esquilo, era mais uma ratazana afoita. Dasse!!
Mas o ex-libris foi mesmo a historia que me rendeu o epíteto de PERVERT!!
Ora estava eu a voltar da faculdade e decidi passar pelo parque porque levava umas amêndoas no bolso. Esta historia fica melhor se a traduzirem para inglês. O que eu não o farei porque a minha religião não o permite.
Como estava dizer, estava eu perto de uma arvore no parque quando avisto um esquilo. Desta vez era mesmo um esquilo!
-B’chinho, b’chinho! - chamei eu.
Este era muito simpático e sentou-se na minha perna a comer as minhas amêndoas (podem começar a traduzir se quiserem!).
Qual não foi o meu espanto quando reparo que o desgraçado tinha uma espécie de quisto no peito.
-Ah coitadinho. Toma lá mais umas amêndoas.
E comecei a tentar ver se o quisto seria maligno. Sim porque eu foi voluntário durante vários anos no Centro de Recuperação de Monsanto.
Maligno não era, mas que era grande era.
-Olha e tem outro igual no lado esquerdo. Ups…..

4 comentários:

Paulo disse...

tarado!!!!!!!!!
or should i say (scottish accent):
PEIRVEIRT!!!!!!!!!

mis aventuras em glasgow ficam para o final da semana...

grao_de_po disse...

LOL!

vê lá é se vens a terras lusas para a malta coleccionar mais fotos de mentes insanas definitivamente congeladas no período infância :D

raites disse...

Voluntariado em Monsanto... sempre desconfiei que deviam haver segundas intenções em tão nobre acto :D

Guida disse...

Deixa de apalpar os tomates aos bichos e vai mas é procurar uma casa!!!